Renato Moreira da Silva

Filho de João Moreira e Maria Rita de Jesus, nasceu na cidade de Guidoval em 05 de março de 1936. Morou na zona rural, local hoje chamado de Água Espalhada. Em Guidoval viveu sua infância, adolescência e parte de sua juventude, quando a cidade era ainda Sapé de Ubá. Nesse tempo que viveu em Guidoval, fez o primário na Escola Estadual Guido Marlière.

Foi para o Rio de Janeiro por volta de 1960, concluiu o 1 grau no Instituto Central do Povo no bairro da saúde, terminou o 2 grau em 1968. Em 1970 Renato passou no vestibular. Fez cursos de Economia e Ciências Econômicas pela faculdade de Economia e Finanças do Rio de Janeiro.

Tirou seu diploma em 1973, depois fez alguns cursinhos, sempre incentivado por Dona Carmem Cattete Reis Dornelas e Laerte Cattete Reis.

É diplomado na Federação de Escolas Federais e Isoladas do Rio de Janeiro, onde fez curso de informação teatral para professores de 1 e 2 grau. De suas primeiras aulas substituindo o professor Max Linder em Carangola, onde deu aula sem registro até 1976, era professor de matemática.

Foi contratado e registrado como professor de técnicas Comerciais e História do Brasil. Mas por motivo da pressão imposta pela ditadura saiu do Rio de Janeiro embora estivesse com estabilidade na vida. " Era um tempo duro da ditadura e eu me sentia perseguido": disse ele.

Com dificuldades para encontrar novos empregos acabou por voltar a Guidoval. Chegando aqui, devido a carência de professores na época, e tendo um curso ligado a matemática conseguiu as aulas, mesmo com a intromissão de alguns que não o queriam ver dar aulas aqui.

Foi professor em Guidoval em 1976 e 1977. Depois deu aula de Ciências e programação de Saúde e também Técnicas Comerciais, além de matemática que era a matéria que mais gostava, em escolas de Visconde do Rio Branco e também na faculdade de Ciências Econômicas e Contábeis Administrativas de Visconde do Rio Branco. Renato também deu cursos de Introdução a Administração e teoria Econômica nesta faculdade.

Com a intenção de se aperfeiçoar e também novos cursos voltou ao Rio de Janeiro, lá voltou a trabalhar na mesma escola onde havia dado aula, agora com o nome de Instituto Metodista de Ação Social, ali levou a vida como professor por 8 anos.

Passado esse tempo, Renato deixou um pouco a vida de professor e trabalhou em uma empresa como auxiliar de escritório na Medel Rio Moda Feminina, na filial da empresa em Copacabana, com um tempo passou a ser responsável pelo setor de sistema de crédito. Trabalhou em várias outras empresas pequenas, sempre levando uma vida difícil e com ordenados muitos baixos.

Um dos trabalhos onde ganhou experiências importantes foi na Petrobrás, como estagiário de economia, mas infelizmente não pode ser funcionário definitivo, mesmo tendo passado nas provas e também no concurso, foi reprovado no psicotécnico, pois era um período de repressão e como existia o Serviço Nacional de Informações, ficou constatado que ele participava de movimentos de estudantes para protesto. Mas lá trabalhou como estagiário por 2 anos.

Voltando novamente a Guidoval, e mesmo tendo passado alguns anos fora sempre participou da vida social e política de Guidoval, onde tirou seu Título de Eleitor e sempre votou.

Foi funcionário da Prefeitura Municipal de Guidoval durante 4 anos, durante o governo do Sr. Élio Lopes.

Na cidade de Guidoval, dirigiu várias peças teatrais e muitas adaptações dentre outros eventos culturais.

Segundo Renato desde 1996 vem lutando em prol da cultura, pois o processo cultural ou a própria cultura dessa cidade linda, mas o povo não demonstra a arte que existe dentro de cada um. E pouco a pouco a cidade vem perdendo a cultura que ainda existe.

Dirigiu peças de exaltação a música, a literatura, a cantores e poetas. Várias pessoas em Guidoval já atuaram em peças dirigidas pelo Renato, e ele tenta através disto mostrar que o povo Guidovalense é de grande valor cultural.

Do lado ainda da cultura e também do esporte e recreação, incentivava investimentos de pessoas de outras cidades na Escola de samba, no Cruzeiro Futebol Clube e também na SER 66.

Produziu peças como a Miscelânea Guidovalense, onde se apresentavam cantores e poetas Guidovalenses; sempre pedindo o incentivo do povo, Renato visava um possível surgimento de um novo ator, cantor ou escritor, algo que melhorasse a vida dessas pessoas que ali se apresentavam. Algumas peças foram apresentadas várias vezes como é ocaso de " A verdade" e "Navio Negreiro".

Renato sempre procura criar algumas coisas e tem uma peça escrita.

Com trinta e poucos anos, ele precisando fazer uma viagem, mas não querendo se desgarrar de sua terra, sentou-se em um bar, e enquanto bebia aguardente pegou um papel que enrolava um pão e começou a escrever já inspirado pela bebida. No outro dia a tristeza continuava, a noite já bêbado e magoado por Ter saído de Guidoval, escreveu novos versos e começou a bater numa caixinha de fósforos, dali saiu uma música que muita gente conhece.

Renato a registrou na Escola Nacional de música, e mais tarde a música recebeu o nome de Hino dos Guidovalenses Ausentes. Ele tem ainda mais 5 músicas.

Na vida cultural de Guidoval ele participou de um dos fatos mais importantes da cidade que foi a criação do jornal A voz de Guidoval, onde o diretor e responsável era José Maciel Queiroga, Renato era o repórter. Era um jornal bem simples. A principal articulista do jornal era D. Carmem Cattete Reis Dornelas e grande responsável pela 1 praça de Guidoval (praça Major Albino) graças a pregação de Silvana Raquel , nome usado por D. Carmem, que influenciou as autoridades.

Depois de algum tempo um grupo de jovens criou uma folha a qual deram o nome de Jornal Saca- Rolha. Esses jovens foram até o Renato pedir sua ajuda para continuar o jornal pois, com as brincadeiras a respeito da Câmara de Vereadores eles foram ameaçados. Renato acabou por assumir o jornal algum tempo depois e o fez um dos mais importantes jornais já visto na cidade.

Depois escreveu O Guidovalense, e mais tarde voltou a publicar a Saca- Rolha que continua até hoje.

Renato Moreira da Silva, popular Renatinho é uma pessoa séria, mas serena e brincalhona quando se trata de conversa entre amigos. Renato hoje vive em Guidoval onde é o responsável pelo Saca-Rolha.

Trabalho Biográfico dos Alunos :

Rafael Gonçalves Rufino

Victor Barros Gonçalves