Algumas Palavras

Escreveu Guimarães Rosa "Minas Gerais é muitas. São, pelo menos, várias Minas". Minhas músicas falam um pouco desta Minas. Assim tenho o propósito de registrar neste CD um "pedacim dessa geraes". Em particular, cidades com as quais mantenho ligações fraternas, familiares, de amizades e sentimentais como Guidoval, São João del-Rei e Tocantins.

Em especial, falar das peculiaridades de um povo que faz ou fez a história destes municípios.

Resgatar alguns personagens e personalidades, o cidadão simples, esta gente mais humilde e comum, adubo que dá vida, essência e luminosidade ao nosso estado de Minas Gerais. GENTE EM EXTINÇÃO. É a parteira, a benzedeira, o ferrador de cavalos, a empregada doméstica, o boiadeiro, a lavadeira, o boêmio, o trabalhador braçal, o seresteiro, o andarilho, o carnavalesco, a doceira, o pequeno empresário, o lavrador que mata e sacia a nossa fome. Tem ainda o "bom louco", essa mansa loucura que adormece e habita um pouco em cada um de nós.

Procuro lembrar dos nossos córregos, ribeirões e rios poluídos que aguardam o socorro que nunca vem. Lambaris que não têm mais. As músicas reverenciam apelidos inventados pelos populares para os logradouros públicos em substituição ao nome oficial dado a autoridades e datas, na maioria das vezes sem nenhuma importância ou ligação histórica com a comunidade. Bendita esta sapiência e voz do povo. Têm-se, também, os exilados econômicos retratados na "Canção do Guidovalense Ausente", de autoria do Renato Moreira da Silva, professor, economista, jornalista e meu amigo. Meti o bedelho nessa composição e, com umas quadras, acordes e versos, nos tornamos parceiros. É o êxodo da cidade do interior em busca de oportunidades e futuro decente em metrópoles como Belo Horizonte que a todos acolhe com desvelo e carinho de mais guardar, mineiros ou não, irmãos daqui, dali e dalém mar.

Resta-nos sempre a FÉ, a santa de devoção, a padroeira a abençoar os dias, todos os nossos dias, como louvar a gloriosa SANTANA da cidade de Guidoval. No mais, é a vida, com as suas dúvidas e questionamentos existenciais, desencontros e descaminhos, amores e desenganos. É VIDA e VIVER GENTE & TERRAS GERAES.

Ildefonso José Vieira - Dé do Zizinho do Marcílio